"SEI QUE NADA SEI, NO ENTANTO SEI, QUE ENQUANTO VIVER COMBATEREI COM TUDO O
QUE ESTIVER AO MEU ALCANCE, TODOS OS QUE COMETEM ALIENAÇÃO PARENTAL"

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Ó Mar Leva Tudo O Que A Vida Me Deu...

Caminho ao longo do cais,embora a distância entre mim e a água seja longa, sinto o frio que dela se desprende e me começa a envolver qual manto gelado e pérfido que me anuncia a morte.Olho a escuridão e reparo no nevoeiro que me acompanha os passos, estou totalmente envolvido por ele, sinto um arrepio enorme e vem-me à memória as histórias da minha infância, quando o nevoeiro nos envolve assim, podemos atravessar uma porta e passar a outra dimensão,tiro as mãos dos bolsos e entrelaço meus dedos na rede que me separa das águas negras do rio que se transformou num Mar diabólico,pela face, o sal de minhas lágrimas tocam meus lábios e na minha mente vejo meu filho a sorrir, minhas filhas a conversarem animadamente e minha amada a voltar-me as costas. Entre a rede que me molha as mãos e a parede da estação dos caminhos de ferro uma correria de carros a caminho da grande farra, olham este miserável que quase se ajoelha e comentam "olha outro janado a curtir uma de cavalo branco"; Em frente da porta principal da estação chega uma carrinha que diz "Exército de Salvação" e começa a distribuir sandes e agasalhos aos sem abrigo que procuram as arcadas do pórtico para se abrigarem da noite, com meus olhos inundados de lágrimas olho os meus futuros companheiros e sinto-me em casa, se a coragem não chegar entretanto, irei engrossar aquele grupo e partilhar com eles aquela doce companheira que nos seca de amargura e dor,a solidão.Olho o rio tão negro, tão negro que dou comigo a falar para a escuridão: Vem Satanás podes levar-me quando e como quiseres mas terás de comer muita merda mas mesmo muita merda e mesmo assim não sei se conseguirás tirar minha alma que fica com aqueles que amo, até ao fim dos tempos, filho da puta, miserável, leva-me contigo para ambos ardermos no fogo do inferno, minha carne pode ser tua, mas meu espírito estará com os que amo e que Deus tenha compaixão por este miserável.Caminho mais para norte sento-me numa paragem de autocarro e de novo choro pela puta da minha vida. Mãe, leva-me para junto de ti, não tenho ninguém Mãe,porque esperas Mãezinha. Nunca na minha curta existência me senti tão impotente, tão só, tão desprezado,tão abandonado.Mãe, eu não quero "desnascer" agora só quero é ficar contigo, teus netos ficam bem, tem uma grande Mãe, eu estou a mais, leva-me Mãe, estou tão cansado.
A noite está cheia de gente estranha, gente que se exibe para encontrar um antídoto contra a solidão, gente que sofre,gente que se vende, gente que apodrece e gente que procura o vazio porque caiu no abismo mais tenebroso de nossos dias, a miséria.
Quero ficar, entre os miseráveis e em simultâneo quero ir embora, para onde?
O comboio embala-me e sonho,sonho acordado, a terra corre agora atrás de mim,gente feliz sem lágrimas, corpos tão enlaçados, corpos que se juntam e acariciam,mãos que afagam recantos, Linda, quando eu morrer, veste a tua mais aguerrida saia, Linda. Se eu morrer no Mar, fica na praia, Linda, não chores,deixa a tua beleza iluminar o meu caminho.Trago na minha carteira uma foto que me deste onde dizes que não te gostas de ver, foi sempre assim, as fotos de que não gostavas,oferecias-me. As mais lindas estão no Facebook, no hi5, sei lá que mais. Tudo isto é muito estranho Linda, coleccionas amigos como colecciono selos, exibes tua magia perante gente tão estranha e desprezas o Mago do teu coração, que vivas mil anos, Querida,que te sintas adolescente e te exibas ao Mundo até sucumbires de luxúria, mas nunca terás de novo aquele que bebeu o teu corpo,aquele que se deitou em ti como o Mar se deita na areia,aquele que em ti se deleitou como o vento se deleita nas searas loiras.Vida da minha vida,escuta os conselhos do mundo, não escutes mais teu coração,não desfiras mais punhais no corpo que entrou em ti, como o sopro da vida entra no recém-nascido, não abras mais chagas no corpo miserável, cujo maior defeito foi, simplesmente, AMAR-TE.
Estranho, muito estranho, nunca gritei tanto e tão alto como agora, meu grito é tão intenso que até Deus, se afastou incomodado, mas tu agora não reclamas, já não te incomoda meus gritos? Ainda bem,olho-te em silêncio e o céu chora comigo, livra-me Senhor deste céu que desmaia comigo.
Há pouco, perguntas-te "Queres vir dormir para aqui?"
Dava tudo, mulher, tudo, para me perder entre os teus seios, dava tudo para entrar em ti e sentir teus gemidos de prazer e felicidade, dava tudo para morrer entre teus braços mas é pedir demais, meu lugar é entre "os miseráveis",esta guerra já a perdi há muito,que toda a felicidade de Deus te acompanhe e cuida dos nossos filhos, agora mais que nunca, ambos dependem de ti Mulher.
Desperta para a realidade que é esta vida,dura,cheia de abutres que num ápice não hesitarão em te devorar com muita dor e sem misericórdia.
Agora tenho todo o direito de sonhar contigo, de me deleitar em teus braços, beber teu corpo e adormecer entre os teus seios, antes de ser miserável fui o Guardião da tua Alma.
Que continue este pesadelo.

Sem comentários:

Enviar um comentário