"SEI QUE NADA SEI, NO ENTANTO SEI, QUE ENQUANTO VIVER COMBATEREI COM TUDO O
QUE ESTIVER AO MEU ALCANCE, TODOS OS QUE COMETEM ALIENAÇÃO PARENTAL"

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

CAUSA E EFEITO

A  FRASE:
 - "Tudo o que fazemos aos outros, fica inscrito no curso do nosso destino e, um dia, vem de volta para nós. Espero."

A  ANÁLISE:
-Se é que isso é possível.
É notório numa primeira observação, de que quem escreveu isto é, no mínimo, um ser interesseiro. Pratica o bem sempre e só com o olho na recompensa, claro que posso estar equivocado logo terei de lhe atribuir o benefício da dúvida.
Mas conhecendo eu "o indivíduo" em causa permitam-me alguns círculos, quiçá de má língua, em torno desta frase. Tratando-se de um desabafo aceita-se a coisa mas, dito como algo que vem do seu interior só pode tratar-se de uma imbecilidade.
Já não sei se é um lugar comum ou não a cena de 'não olharmos a meios para atingir os fins'. Mas se fizemos, praticámos ou aplicámos o bem em terceiros e em vez de uma determinada retribuição ou um simples agradecimento somos ignorados ou rejeitados, a coisa fica preta. Já o simples (que não é assim tão simples) facto de destruirmos a felicidade de seis ou sete para conseguirmos a felicidade de dois (embora não se trate de simples equação matemática) parece-me um pouco exagerado, para não dizer doentio. Então se essa felicidade é alicerçada sobre o sofrimento de crianças não me parece uma cena correcta, mas quem serei eu para julgar o construtor dessa tão magnífica obra.
Analisando cientificamente (se é que isso é possível) palavra a palavra a dita frase, para lá de ser uma tarefa hercúlea e longe das minhas parcas capacidades, o tal 'construtor' da dita cuja não me parece merecedor de tal trabalho pelo simples facto do que expôs nessa fatídica frase.

Apenas registar o facto de que tal arquitecto só pensou no 'Bem' que supostamente pratica, num 'lapsus calami' omitiu nas mesmas proporções o 'Mal' que está ali mesmo ao lado e logo "Ficará também inscrito no curso do seu destino".